Uma Pequena Grande VITÓRIA!

Setembro 18, 2015

@Alimentação_Escola

Lindo testemunho de uma Mãe Orgulhosa! E que orgulho temos quando se consegue, mesmo o que para a maioria é pouco, para nós é um Grande passo! ❤
Obrigada Elisabete por nunca desistir! Um exemplo de que ser persistente compensa! 😀
«VITÓRIA!
Hoje quero partilhar com todos vocês a minha pequena (GRANDE!!!) vitória!
Depois de um ano, de verdadeiro braço de ferro, com a directora do colégio da minha filha, de ser motivo de chacota, acusada de extremista, criticada por outros pais, consegui pela 1ª vez,que todas as suas refeições, incluindo os lanches, as pequenas visitas de estudo e até nas comemorações de aniversário feitas no colégio,o seu direito de ser vegan fosse respeitado!

… embora não seja um grande feito, seja mais uma vitória pessoal, principalmente para a “Francisca” que passa a ter uma vida melhor e aprender que não devemos calar!
Tendo em conta que se trata de um colégio privado, ‘João de Deus’, bastante conservador e que não deixa nem levar bolachas de casa, sobretudo porque não apresentei a declaração médica com restrições alimentares,mas apenas a declaração da médica assistente da médica de família, na qual mencionava que a Francisca fazia uma “dieta” vegan POR OPÇÃO apresentando um desenvolvimento comum ao de qualquer outra criança da sua idade.
Tive que negociar … a minha filha, na escola, passa a comer apenas algumas sopas, algumas saladas, fruta ou salada de fruta, pipocas porque apenas têm milho(são feitas lá na hora, de vez em quando), leites, iogurtes, bolachas, cremes para barrar, algumas sopas e saladas, bem como o prato principal, vão de casa!
E nas visitas de estudo e eventos culinários que visitam, levam do colégio o lanche dela… mais alguns detalhes, como visitas a locais onde são explorados animais ou distribuição de produtos, quando certas marcas vão fazer visitas ao colégio para promover produtos… e nada de rebuçadinhos e outros “mimos” envenenados, levados pelos outros pais aquando dos aniversários dos outros meninos… bem, é um recomeço!

Nunca desisti… por ela, pelo direito à diferença, por uma vida mais digna para todos os seres sencientes… por um futuro em harmonia!
Que esta nova geração seja o recomeço!»

Anúncios

SALA-AULA

Temos encontrado muitos pais preocupados cada vez mais com a qualidade dos métodos pedagógicos e com a alimentação vegetariana para os seus filhos, nas escolas. As escolas não dão resposta a individualização que cada criança precisa, especialmente em tenra idade. Os valores familiares estão a perder-se, o respeito pela sociedade e natureza esta a desvanecer, e vemos cada vez mais casos de crianças e adolescentes perdidos e entregues a escolas com métodos pedagógicos antiquados e desadequados ao desenvolvimento harmonioso e integral da criança.

Damos uma pequena ajuda e decidimos reunir uma lista de escolas vegetarianas e com métodos pedagógicos alternativos em Lisboa e arredores.

Jardim do Monte – Jardim de infância e 1º ciclo
(pedagogia Waldorf)
HARPA – Associação Recriar para Aprender
Quinta S. João dos Montes
2600 Alhandra
Tel. 21 951 20 92
mailto:harpa_portugal@yahoo.com
http://www.harpa-portugal.com/

Casa Verdes Anos – jardim de infância e 1º ciclo
(pedagogia Waldorf, movimento da escola moderna e educação para os valores)
Sítio do Barcal, n.º 9, Monsanto
1500-554 Lisboa
tel:91 233 60 43
casaverdesanos@gmail.com

Jardim Infância São Jorge – Creche e Jardim de Infância
(pedagogia Waldorf)
Estrada Alfragide
Casa Vestefália- Alfragide
2720 AMADORA
Tel: 214 711 920
http://www.jardimdeinfanciawaldorf.com/

Jardim de Infancia VelaVerde – Creche e Jardim de Infância
R. da imprensa, nº 20 Alfragide
tel: 214713228
http://www.velaverde.org/

Escola Waldorf de Sintra
(pedagogia Waldof)
waldorfsintra@gmail.com
tel: 91 791 08 61 (Rita Seixas)
http://waldorfsintra.files.wordpress.com/2008/06/escola.pdf

Pé de Romã – jardim de infância
(pedagogia Waldorf)
Quinta da União,
Estrada das Labruscas, 55
Ribeira de Sintra
Tel: 938795380 e 964143222

Jardim Infância Viva-Associação Jardim de Infância Internacional
(pedagogia Waldorf)
Lagos – Barão de São João
Monte Judeu
8600-020 BARÃO DE SÃO JOÃO
tel: 282 761 786

Quinta Artosas
Apartado 72
7050 MONTEMOR O NOVO
tel 266890548
http://anjaliteam.blogspot.pt/2009/09/escolas-alternativas-e-vegetarianas.html

Amélie é uma pequena ativista vegana de São Paulo Filha da também ativista pelos direitos dos animais Karina de Oliveira, a pequena Amélie é a síntese do que as crianças sentem em relação aos seus amiguinhos não-humanos. Segundo Karina, Amélie não se conforma como as pessoas podem fazer mal aos animais. “Por que eles não entendem que nós não precisamos matá-los para nos alimentar?” – Diz. Insights de planejamento publicitário A fim de salvar todos os animais do mundo, Amélie tem ideias e mais ideias para que seu objetivo se concretize. Depois de aprender que existem certas placas de trânsito que proíbem as pessoas de fazerem coisas erradas, Amélie logo apareceu com um desenho na mão que mostrava um homem com uma faca e um porco com expressão de assustado dentro de um símbolo de proibido. Na cabeça inocente dela, é simples assim: é só dizer que é errado e as pessoas não farão. E ela está coberta de razão, deveria ser assim. “Tive uma outra ideia!!! Se nós formos pra rua e mostrarmos nossos desenhos? As pessoas entendem melhor os desenhos.” – Convidou a mamãe, toda empolgada. Karina, ponderada, entendeu que aquele não era o momento. Para preservar a filha, achou melhor esperar até que surgisse uma grande manifestação para que a menina estivesse no meio de pessoas que a apoiariam e não corresse o risco de se frustrar, através da desaprovação das pessoas que comem animais e achariam sua manifestação algo ridículo. Indo para a rua, o grande dia de Amélie No último sábado, dia 22 de setembro, chegou o grande dia de Amélie ir para a rua mostrar seus desenhos e expressar seu amor pelos animais. Aconteceram eventos simultâneos no mundo todo pelo fim da crueldade contra os animais. Karina entendeu que era o momento e lá foram as duas, mãos dadas pela Avenida Paulista, mãe e filha. ESPERANÇA. O depoimento da Karina sobre Amélie:

Essa é Amélie, ela tem 4 anos… Ha mais ou menos 1 ano e meio, ela aprendeu o significado de algumas placas de trânsito. -Mãe o que significa essa placa? -Significa proibido estacionar, Amélie. -Proibido?! E as pessoas tem que respeitar essas placas? -Teoricamente sim, quem não respeita é multado. -Eu tive uma ideia… Meia hora depois sai ela do quarto com um sulfite na mão, o desenho era uma placa de proibido e dentro tinha um homem com uma faca e um porco com expressaõ de assustado. Ela pediu pra que eu soletrasse a frase não mate os porcos, eles são amigos! Então ela começou a lamentar… Porque as pessoas não enxergam a beleza dos animais? Porque eles não entendem que nós não precisamos mata-los para nos alimentar? Eu expliquei de forma lúdica e disse que era difícil, mas que um dia as pessoas reconheceriam este absurdo e passariam a trata-los com respeito. Então ela disse: -Tive uma outra ideia!!! Se nós formos pra rua e mostrarmos nossos desenhos? As pessoas entendem melhor os desenhos, eu posso te ajudar a fazer um cartaz. Quase fui com ela, pois ela ficou muito empolgada. Mas contei com possibilidade de reprovação que ela teria de pessoas que não acreditam na causa e talvez isso não fosse muito benéfico pra ela, tão pequena, ficaria frustrada… Depois de conversar com outras mães, percebi que a minha atitude estava certa. Então quando soube da manifestação, decidi leva-la para ela se expressar da forma que sentia necessidade, mas em um ambiente onde ela teria simpatizantes e apoio moral de pessoas que acreditavam no mesmo que ela. mos Ela é tímida, com pessoas desconhecidas, mas antes de chegar no Trianon ela disse: – Hoje eu não vou ser tímida, eu tenho que falar pelos animais, eles não conseguem ser ouvidos. Na manifestação, expliquei pra ela a importância da manifestação ser pacifica, mostrei o que era certo e o que não era, e salientei a importancia dela estar em grupo e pricipalmente com adultos. Ela se sentiu realizada, pois ha tempos queria fazer isso. Fiquei super orgulhosa, pois em um mundo em as crianças são educadas para não se importarem com seu próximo, ela se importa com qualquer espécie e enxerga todos como seu semelhante. E mostra isso de forma natural, seja doando brinquedos para crianças carentes ou oferecendo o seu lanche para um morador de rua. Se importa e valoriza a existência dos animais de qualquer espécie, seja um inseto ou qualquer outro, respeitando, acolhendo quando necessário, alimentando, protegendo do perigo de morte… Sempre que compra algo, se eu não estiver por perto pergunta para o vendedor se o produto é testado em animais ou se o alimento é vegano e ainda explica o que é uma comida vegana, quando surgem duvidas. Ela realmente se preocupa com o seu planeta! Economiza água, recicla o lixo, abraça as arvores na rua e rega as plantas que encontra com uma garrafa de água que carrega na bolsa… É uma figurinha, uma figurinha do bem… Escrevi isso pra vocês entenderem o porque de ter levado ela em uma manifestação… Temos o dever de ensinarmos as nossas crianças, a tratarem os seus semelhantes da mesma forma que gostariam de ser tratados. Isso inclui os animais não humanos. Beijos!

Fonte: ViSta-se

Desenvolvimento mental

Julho 9, 2010

Desenvolvimento 0 aos 3 anos

desenmentalO desenvolvimento é contínuo. A criança desenvolve cada uma ao seu ritmo, é um processo inesgotável, que pode e deve ser incentivado pelos pais. Em termos de desenvolvimento não existem duas crianças iguais. No entanto terão que passar por todas as etapas do desenvolvimento sequencialmente, ou seja o seu bebé terá que se sentar antes de começar a andar. Este desenvolvimento estará directamente relacionado com o grau de maturidade do seu cérebro. O sistema nervoso central, músculos e articulações  deverão ter atingido um grau de maturidade para que isso se possa tornar possível. A fala depende do crescimento e desenvolvimento dos músculos e do cérebro, o que só acontece apartir dos doze meses de vida. As meninas por norma começam a falar mais cedo que os meninos. Se estiver atento aperceber-se-á de que o desenvolvimento  é feito sempre da cabeça para os pés. Outro aspecto muito interessante é que nos primeiros anos de vida de uma  criança mais do que em qualquer outra idade aprendem mais, daí também a nossa responsabilidade como pais em ensiná-los e estimulá-los, de uma forma dedicada e paciente.

Desenvolvimento mental das 12 semanas às 20 semanas

12 semanas:das-12-semans-ás-20

Tem consciência do seu próprio corpo, reage a estímulos com gestos, sorrisos, movimentos da boca. Emite sons e expressa a sua excitação através de movimentos do seu corpo.

Estimule:

Brinque com o seu filho fazendo-lhe cócegas, cante e exagere nos seus comportamentos rindo e contando histórias infantis. Dê-lhe brinquedos de várias texturas e pesos para que ele possa descobrir novas sensações.

16 semanas:

É bastante curioso, gosta de estar em posições em que possa ver o meio que o rodeia. Reconhece brinquedos, sítios, sons, pessoas e sensações.

Estimule:

Brinque, entusiasme brincadeiras em comum. Ofereça-lhe uma grande variedade de brinquedos incluindo os que fazem bastante ruído.

20 semanas:

Adora brincar no banho. Atingiu já alguma concentração o que o leva a passar mais tempo a examinar objectos e até mesmo a sua expressão ao espelho. Dirige o olhar para a proveniência dos sons. Chama a atenção com os braços e com as pernas, espera conseguir algo.

Estimule:

Responda e dê atenção ao seu filho sempre que este o solicitar para que compreenda que as suas chamadas de atenção são atendidas. Fale com ele e diga-lhe o seu nome várias vezes. Faça jogos como o “cucu-tátá” verá que são jogos com bastante receptividade.

Desenvolvimento mental das 24 semanas ás 32 semanas

24 semanas: das-24-ás-32-semanas

Gosta de se ver ao espelho e fala consigo mesmo, tocando e emitindo sons. Demonstra alguma timidez perante alguns estranhos. Demonstra que gosta mais de alguns alimentos do que de outros.

Estimule:

Deixe cair brinquedos, apanhe-os e dê-lhos novamente. Brinque bastante com o seu filho, de dar o objecto e de lho tirar.

28 semanas:

Entende o seu nome, e pede colo. Emite sons diversos, alguns reconhecíveis. Começa a imitar coisas simples.

Estimule:

Utilize o espelho e incentive-o a brincar com ele, cria a noção de identidade. Emita sons como “tá”, “dá” para que ele os possa pronunciar ao repetir. Deixe-o comer sozinho (alguns alimentos tais como a parte dura do pão).

32 semanas:

Interessa-se por objectos que caiam, e que ficam fora do seu alcance visual. Entende o significado da palavra “não”.

Estimule:

Estimule as brincadeiras dentro de água, com brinquedos.

Desenvolvimento mental das 36 semanas ás 48 semanas

das-36-ás-48-semanas36 semanas:

Vira a cabeça para a pessoa que o chama pelo nome. Sabe quando deve rir.

Estimule:

Ensine-lhe os hábitos do dia-a-dia. Fale constantemente com ele e explique-lhe alguns procedimentos tais como para comer, desde o sentar, colocar o babete, agarrar na colher.

40 semanas:

Compreende alguns hábitos do dia-a-dia. Procura brinquedos que estão escondidos. Diz adeus com a mão e dá a mão se lha pedirmos.

Estimule:

Esconda brinquedos para treinar a sua memória. Mostre-lhe como se deve vestir e a despir um boneco. Comece a contar-lhe histórias e a mostrar-lhe imagens nos livros.

44 semanas:

Nesta fase a criança passa o tempo todo a deitar os objectos para o chão. Já emite uma palavra reconhecível. Compreende a ideia de palavras como “aqui”, “ali”, “dentro” , entre outras…

Estimule:

Faça jogos com as mãos , bata palmas e ensine a bater palmas. Lê-lhe histórias curtas para lhe prender a atenção. Veja ilustrações e vá-lhe dizendo o nome dos objectos que lá se encontram.

48 semanas:

Já diz o seu nome e gosta de repetir a palavra “não”. Gosta de a fazer rir e começa a ter noção de como o poderá fazer através de brincadeiras.

Estimule:

Diga-lhe os nomes de partes do corpo e aponte com o dedo para o que é seu e para o que é dele. Conte-lhe histórias que possam eventualmente estar associadas a sua vida quotidiana.

Desenvolvimento mental de 1 ano aos 21 meses

1 ano:

Compreende já muitas coisas, tais como identificar um objecto num livro, reconhece perguntas que lhe são dirigidas. Pega em objectos e dá á mãe, emite sons e pronuncia três ou quatro palavras com significado.

Estimule:

Demonstre-lhe afecto não só através de colo, beijos e abraços como também através de brincadeiras, para lhe criar a noção do que é demonstrar emoções. Quando estiver a realizar tarefas com ele explique-lhe o que está a fazer, tais como calçar meias e sapatos, uma colher de sopa, entre outras que podem ser descritas…

15 meses: de-1-ano-aos-21-meses-2

O seu filho já conhece partes do corpo e sabe identificá-las. Gosta de ver imagens de animais e de ouvir o som que emitem.

Estimule:

Crie o hábito ensinando-o a arrumar os seus objectos no lugar correcto. Transmita-lhe a sensação que fez proezas, dizendo-lhe palavras positivas quando ele realizar algumas tarefas.

18 meses:

Imita algumas das suas acções, realizando algumas tarefas, isso contribui para a construção da sua auto-estima e a criança fica satisfeita. Aponta objectos no livro se lhe disser o nome, reconhecendo já bastantes destes.

Estimule:

É muito importante que a mãe vá falando com a criança ao longo da realização das tarefas e repetindo várias vezes determinadas acções para que a criança seja estimulada através da repetição. Apresente-lhe jogos novos como os cubos que encaixam uns nos outros.

21 meses:

Sabe pedir-lhe comida, bebida ou brinquedos. Quando não se faz entender é capaz de a agarrar ou empurrar até ao objecto pretendido.

Estimule:

Emita sons referentes a cada objecto diferente, não só dos animais mas como também de aviões, comboios, gatos, cães, entre outros… quando brincar com a criança vá-lhe ensinando o nome  das várias cores.

Desenvolvimento mental dos 2 anos aos 2 anos e meio

aos-3-anos22 anos:

Nesta fase a criança fala muito e faz perguntas, o seu vocabulário já começa a ser grande.  Já começa a controlar os esfíncteres e poderá pedir o bacio para fazer xixi.

Estimule:

Explique-lhe que cada objecto tem diferentes texturas, através de brinquedos uns mais duros outros macios. Poderá dar-lhe lápis para pintar e desenhar. O contacto com outras crianças é importante.  Coloque-lhe cassetes com musicas infantis  e histórias. Dê-lhe cubos, triangulos e outras formas para encaixar nos devidos lugares.

2 anos e meio:

Começa com os “porquês?” e diz “Não quero”, “Não sei” “Não há” e muitas mais… Conhece a musica, já é capaz de a cantar. Diz o seu nome. Sabe contar até três.

Estimule:

Inclua nos jogos e brincadeiras que fizer com a criança os números.

Desenvolvimento mental aos 3 anos

dos-2-aos-2-e-meio-23 anos:

A curiosidade é muito grande. A criança faz bastantes perguntas “Porquê?”; “O quê?”; “Como?”; “Onde?”; “O que é?” . As brincadeiras representam a vida do dia-a-dia, o que a mãe ou o pai fazem, ou outro familiar. Reconhece o seu sexo e sabe quem é menino e menina.

Estimule:

A memória deve ser treinada, recordando a criança o que fez anteriormente. Estimule a ser independente e autoconfiante, pergunte-lhe o que quer levar vestido. Leia-lhe muitas histórias e faça de conta que o seu filho é a personagem principal da história. Estimule o seu filho a pintar, desenhar, desperte-lhe o interesse, pelas cores…

Fonte

Mau Comportamento a partir dos 2 anossugestões-menu---10

Perguntamo-nos muitas vezes se uma criança de dois anos pode ser má com frequência. Aquele comportamento será normal nesta fase? Segundo um especialista não existem crianças más. As crianças apartir desta idade iniciam este tipo de comportamentos que conhecemos como “maus”: bater; desobedecer; morder; gritar; sobem armários; …

Ser “Mau” para a criança é como ser comparado ao lobo mau que faz mal às avozinhas, é ser comparado á bruxa má que faz mal às princesas, enfim nenhuma criança se identifica com essas personagens nem considera que as suas próprias atitudes são semelhantes ao ponto de serem consideradas más. As crianças a partir dos dois anos têm este tipo de atitudes porque são teimosas, despreocupadas e não têm a noção do perigo.

Na realidade todas as mães têm a mesma atitude ou pelo menos a sua maioria, repreende o seu filho por andar aos saltos dentro de casa ou porque desarruma ou por outro motivo que vai chocar com a nossa necessidade adulta de paz e descanso. É difícil para nós por vezes compreendermos que o nosso filho tem necessidades opostas às nossas, nós queremos descanso os nossos filhos querem brincar e necessitam de gastar energias.

Na realidade devemos encontrar um ponto de equilíbrio, para que os nossos filhos não fiquem malucos connosco e nós com eles. Temos que tentar compreender porque é que o nosso filho faz birras enormes e joga tudo para a chão ou inclusive nos bate. Nós somos os adultos cabe-nos a nós ajudá-los e não o contrário. A criança por vezes pode apenas necessitar de atenção, afecto, de espaço para as suas brincadeiras.

Afinal talvez o nosso filho não se comporte assim tão mal como nós pensamos, mas sim porque como estamos mais cansados não conseguimos aperceber-nos disso na devida altura.

Como devemos reagir?Mau-comportamento-2-anos-22

Antes de mais, devemos tentar substituir no nosso discurso a palavra “mau” por palavras como “perigoso”, “aventureiro” ou outras… isto porque uma criança de dois anos pode acreditar realmente que é mau e começar-se a comportar como tal.

Mostrar-lhe compreensão quando ele não pára quieto, e demonstrar-lhe que entendemos a sua atitude: “sei que precisas de correr e saltar, que estás aborrecido porque ainda não saímos de casa hoje, mas a mãe precisa de descansar…”. Ser carinhosa mas firme, não ceder naquilo que lhe pedimos para não fazerem, reforçando sempre a mensagem verbal com a corporal, mas não deve ser violenta. Não se esqueça que deverá negociar sempre e que essa negociação raramente é feita á primeira tentativa, não desista.

Se quiser que o seu filho se torne num adulto bem educado, seja exemplar e mostre-lhe desde o inicio como se faz, sendo o seu exemplo a seguir. Não se esqueça que as crianças imitam tudo o que veêm fazer, e é muito fácil utilizar palavras como “por favor”, “obrigado”, “com licença”, “desculpa”, “bom dia”, entre outras…

Até aos 3 anos de idade o seu filho imita o seu comportamento e até as suas expressões faciais. Apartir dos 12 meses as crianças tornam-se masi sociaveis e aprendem palavras muito rapidamente, deve aproveitar esta fase. Sempre que o seu filho peça qualquer coisa aproveite para lhe transmitir as boas palavras das boas maneiras.

É preciso ter paciência pois dos 3 aos 5 anos de idade as crianças começam a ser mais sociaveis, e começam a compreender que a educação é um veículo para o convívio saudável. Paciência é uma coisa que vai ter que repetir muitas vezes para ele compreender, terá que esperar que a mãe fale ao telefone ou pela sua vez no escorrega ou outra coisa ele vai ter que esperar. Vai também ter que pedir muitas vezes desculpa por ter errado em determinada circunstancia, o ter que reconhecer que errou é muito importante passar essa mensagem e admitir o erro.

A partir dos 6 anos de idade deve aprender a ser anfitrião. Se receber colegas lá em casa deve perguntar-lhes se querem lanchar… se alguém lhe oferecer alguma coisa deve incentivar a agradecer, pessoalmente ou por telefone ou ainda por carta se assim o entender.

via Tudo sobre Bebés, Gravidez, Crianças e Familia..

Projeto Ulinha

Junho 16, 2010

imagemulinha1
O que é o Projeto Ulinha?
O Ulinha é uma vertente do ULA, com metodologia voltada para a educação infantil, conscientizando crianças acerca dos Direitos Animais, estimulando a compaixão, respeito, empatia, engajamento e responsabilidade ética.
O ULA acredita que a educação/conscientização é um meio profilático e definitivo para a problemática da exploração animal. De acordo com Paulo Freire:

“Não é possível refazer este país, democratizá-lo, humanizá-lo, torná-lo sério, com adolescentes brincando de matar gente, ofendendo a vida, destruindo o sonho, inviabilizando o amor. Se a educação sozinha não transformar a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda”.

Palavras-chave: educação humanitária, direitos animais, educação infantil, ética, meio ambiente, temas transversais.
girlhorsegirlpiig
https://i2.wp.com/www.faxlenep.kit.net/bebe.jpg
Objetivo:O objetivo do Projeto Ulinha é atingir o maior número possível de crianças e adultos para, por meio da informação e conhecimento, proporcionar-lhes a opção pelas atitudes responsáveis e éticas, que começam em casa, conosco mesmo, com os seres que nos rodeiam, e que vão repercutir no meio em que vivemos influenciando todo o universo.
babeedoggirlcat
crianca
Justificativa:
Muitas crianças possuem compaixão pelos animais, mas dentro de uma sociedade consumista e antropocêntrica, são condicionadas a usufruir da exploração dos mesmos, sem refletir sobre isso. Esse condicionamento é reproduzido de geração para geração, gerando um círculo vicioso. É fundamental a educação infantil, visto que as crianças se encontram em plena fase de desenvolvimento e formação, e diferente de muito adultos, ainda questionam, favorecendo um conhecimento crítico acerca dos processos que a cercam.
Por isso, é de extrema importância para a formação de uma sociedade saudável, a diversidade de informações a que as crianças são expostas, para que possam ter material para reflexão e escolha, gerando indivíduos mais autônomos e, de acordo com suas escolhas, mais éticos e transformadores.
Lembramos também, que os temas transversais estão contemplados nessa abordagem, que atendem às propostas dos Parâmetros Curriculares Nacionais.
boydogkidsanimals
crianca1
Metodologia:
O projeto Ulinha se apóia na Educação Humanitária. Esta tem como objetivo incentivar a compreensão da necessidade da compaixão e do respeito por pessoas, animais e meio ambiente, reconhecendo a interdependência entre todos os seres vivos. A Educação Humanitária é importante para desenvolver cidadãos responsáveis, pois torna as pessoas sensíveis às sensações/sentimentos de outros seres e, portanto, provavelmente mais conscientes do impacto das suas ações sobre os outros e o planeta.
As apresentações para turmas com faixa entre 5 e 10 anos, são realizadas gratuitamente pelo Ula em escolas, ONGs, creches, orfanatos, igrejas, comunidades, etc., mediante convite feito ao grupo pelo e-mailcontato@uniaolibertariaanimal.com

A apresentação constitui em 40 minutos, com exibição do vídeo “Fulaninho, o cão que ninguém queria”, doInstituto Nina Rosa, que aborda a guarda responsável; conversa (maiêutica), atividades lúdicas e distribuição de cartilhas, vídeos e brindes. Para isto, é necessária uma sala com retroprojetor (ou TV e DVD). Os professores recebem um kit, contendo vídeos, folders e textos. Sugerimos aos professores que continuem desenvolvendo os temas apresentados.

kidschikgirlbird
https://i1.wp.com/2.bp.blogspot.com/_paxNxlUGcqw/R-xWpL6LzPI/AAAAAAAAAAk/pU2FUNnhWH4/s200/saud+1.jpg
Material Educativo:
O Ula criou a Cartilha Educativa do Projeto Ulinha, que é um livreto contendo atividades, brincadeiras e muita informação sobre direitos animais para crianças. Com uma linguagem especialmente voltada para o público infantil, essa cartilha tem conteúdo inédito aqui no Brasil. Abordamos temas como guarda responsável, cárcere de animais silvestres, animais em circos e zoológicos e alimentação vegetariana.
Além da Cartilha, o Ulinha conta com apresentações para turmas, uma comunidade no Orkut e em breve teremos um Hotsite.
Cartilha Ulinha: Direitos Animais para crianças
Está disponível para download e reprodução livre, a terceira edição da “Cartilha Ulinha: Direitos Animais para crianças”, que está sendo aprimorada de acordo com a colaboração de pessoas que sugerem mais temas ou pequenas correções.
A cartilha é elaborada por uma educadora e uma publicitária, integrantes do grupo União Libertária Animal (Ula!), unindo assim, especificidades da educação progressista libertária e o lindo apelo visual das artes gráficas às questões filosóficas e práticas (abolicionismo e veganismo) dos Direitos Animais; tudo em uma linguagem especial para essa faixa etária que está em pleno desenvolvimento! O resultado é uma cartilha diversificada e inédita, para crianças a partir dos 5 anos de idade, com muita informação e ludicidade.
O objetivo pedagógico da cartilha é ser um recurso para a educação não-formal, desenvolvendo uma educação humanitária e crítica-transformadora, voltada para a desconstrução de conhecimentos opressores e cartesianos, condicionados pela educação formal tradicional, reprodutora e mantenedora do status quo, seja do animal humano ou não-humano.
Muitas informações contidas na cartilha, são inéditas até para muitos adultos, o que amplifica de maneira espiral a transmissão dos conhecimentos da cartilha, tendo como epicentro a criança, que por sua vez, está em fase latente de diagnosticar e assimilar conhecimentos, com senso questionador ainda ativo.
Como inspiração inicial, tiveram a cartilha Fulaninho, do Instituto Nina Rosa e as cartilhas do ProBem. No entanto, ambas se atém a guarda responsável; por isso a iniciativa em elaborar atividades infantis que integrassem os animais em geral, desconstruindo o especismo e a coisificação.

A cartilha possui atividades que abordam a guarda responsável, senciência, exploração de animais para entretenimento humano (zoológicos, circos e rodeio), a manutenção de animais confinados (pássaros em gaiolas), alimentação ética, consciência ambiental, etc.

A cartilha faz parte do Projeto Ulinha e está para download abaixo, gratuitamente e de livre reprodução!
Para se tornar um apoiador da cartilha, ajudando na reprodução, entre em contato:contato@uniaolibertariaanimal.com
bannercartilha

capacartilha
Cartilha Educativa do Projeto Ulinha criada pelo ULA.
Indicada para crianças a partir de 5 anos. Distribuição Livre.
3ª edição! Mais conteúdo! Mais atividades!
Download : capa colorida, miolo PB (4,50mb)
Formato: Livreto A5 – Duas Dobras – 28 páginas
Tipo de Arquivo: PDF


“Sem a preparação do ser humano, não há desenvolvimento. A violência é fruto da falta de educação.” Leonel Brizola

kidsraabbit girlducks

“Se, na verdade, não estou no mundo para simplesmente a ele me adaptar, mas para transformá-lo; se não é possível mudá-lo sem um certo sonho ou projeto de mundo, devo usar toda possibilidade que tenha para não apenas falar de minha utopia, mas participar de práticas com ela coerentes.” Paulo Freire

Cadastro de escolas

Junho 16, 2010

O Instituto Nina Rosa é uma ONG voltada à Educação de Valores, cujo trabalho tem como base fundamental o respeito e a ética para com os animais e, como consequência, a ampliação da consciência humana.

Ensino Fundamental

O Instituto não recolhe animais e nem mantém abrigo. Desenvolve desde 2000 material pedagógico usado hoje amplamente pelas escolas da rede Municipal e Estadual de Ensino.

DVDs:

Ensino Médio e Superior

DVDs:

Livros:

A Educação de Valores inclui compaixão e ética, preparando o ser para uma vida mais integral, pacífica e solidária. Ao mesmo tempo beneficia diretamente os animais, cujos direitos passam a ser conhecidos, com encorajamento do respeito e do sentido de responsabilidade que lhes são devidos.

O afeto que os animais inspiram, quando incentivado, pode despertar no indivíduo sentimentos de amor, zelo e positiva auto-estima.
Entende-se que a inclusão do tema dos animais no currículo escolar estimula o desenvolvimento moral, espiritual e pessoal de cada criança, traz benefícios à comunidade escolar e aumenta as oportunidades de aprendizagem em diferentes áreas do currículo. (IAHAIO/2001)

A educação de valores é uma das principais ferramentas para reverter a brutal realidade dos animais no planeta. É a forma sensibilizante, amorosa, de contribuir para transformar humanos em seres mais humanos. Deve-se iniciar em tenra idade, por meio do exemplo e depois continuar no ensino formal, inspirando, apoiando e valorizando sentimentos de compaixão, ética e solidariedade.

Estudos do FBI mostram que a violência contra animais funciona como um “primeiro degrau” para futuras violências contra humanos. Quase todos os assassinos em série (serial killers) têm em sua história a prática de maus-tratos a animais.

Segundo pesquisas, a violência cometida contra animais quando feita ou mesmo assistida por crianças tem consequências psicológicas trágicas, marcando-as por toda a vida.

Gostaríamos de apresentar nosso material pedagógico, pois acreditamos que, dessa forma, poderemos colaborar para uma sociedade mais justa e pacífica.

Para saber mais sobre nosso trabalho, assista ao vídeo institucional em http://br.youtube.com/watch?v=RgDU-iZhNZA.

Clique aqui, preencha e envie o formulário com dados para que possamos contatá-los.