Uma Pequena Grande VITÓRIA!

Setembro 18, 2015

@Alimentação_Escola

Lindo testemunho de uma Mãe Orgulhosa! E que orgulho temos quando se consegue, mesmo o que para a maioria é pouco, para nós é um Grande passo! ❤
Obrigada Elisabete por nunca desistir! Um exemplo de que ser persistente compensa! 😀
«VITÓRIA!
Hoje quero partilhar com todos vocês a minha pequena (GRANDE!!!) vitória!
Depois de um ano, de verdadeiro braço de ferro, com a directora do colégio da minha filha, de ser motivo de chacota, acusada de extremista, criticada por outros pais, consegui pela 1ª vez,que todas as suas refeições, incluindo os lanches, as pequenas visitas de estudo e até nas comemorações de aniversário feitas no colégio,o seu direito de ser vegan fosse respeitado!

… embora não seja um grande feito, seja mais uma vitória pessoal, principalmente para a “Francisca” que passa a ter uma vida melhor e aprender que não devemos calar!
Tendo em conta que se trata de um colégio privado, ‘João de Deus’, bastante conservador e que não deixa nem levar bolachas de casa, sobretudo porque não apresentei a declaração médica com restrições alimentares,mas apenas a declaração da médica assistente da médica de família, na qual mencionava que a Francisca fazia uma “dieta” vegan POR OPÇÃO apresentando um desenvolvimento comum ao de qualquer outra criança da sua idade.
Tive que negociar … a minha filha, na escola, passa a comer apenas algumas sopas, algumas saladas, fruta ou salada de fruta, pipocas porque apenas têm milho(são feitas lá na hora, de vez em quando), leites, iogurtes, bolachas, cremes para barrar, algumas sopas e saladas, bem como o prato principal, vão de casa!
E nas visitas de estudo e eventos culinários que visitam, levam do colégio o lanche dela… mais alguns detalhes, como visitas a locais onde são explorados animais ou distribuição de produtos, quando certas marcas vão fazer visitas ao colégio para promover produtos… e nada de rebuçadinhos e outros “mimos” envenenados, levados pelos outros pais aquando dos aniversários dos outros meninos… bem, é um recomeço!

Nunca desisti… por ela, pelo direito à diferença, por uma vida mais digna para todos os seres sencientes… por um futuro em harmonia!
Que esta nova geração seja o recomeço!»

SALA-AULA

Temos encontrado muitos pais preocupados cada vez mais com a qualidade dos métodos pedagógicos e com a alimentação vegetariana para os seus filhos, nas escolas. As escolas não dão resposta a individualização que cada criança precisa, especialmente em tenra idade. Os valores familiares estão a perder-se, o respeito pela sociedade e natureza esta a desvanecer, e vemos cada vez mais casos de crianças e adolescentes perdidos e entregues a escolas com métodos pedagógicos antiquados e desadequados ao desenvolvimento harmonioso e integral da criança.

Damos uma pequena ajuda e decidimos reunir uma lista de escolas vegetarianas e com métodos pedagógicos alternativos em Lisboa e arredores.

Jardim do Monte – Jardim de infância e 1º ciclo
(pedagogia Waldorf)
HARPA – Associação Recriar para Aprender
Quinta S. João dos Montes
2600 Alhandra
Tel. 21 951 20 92
mailto:harpa_portugal@yahoo.com
http://www.harpa-portugal.com/

Casa Verdes Anos – jardim de infância e 1º ciclo
(pedagogia Waldorf, movimento da escola moderna e educação para os valores)
Sítio do Barcal, n.º 9, Monsanto
1500-554 Lisboa
tel:91 233 60 43
casaverdesanos@gmail.com

Jardim Infância São Jorge – Creche e Jardim de Infância
(pedagogia Waldorf)
Estrada Alfragide
Casa Vestefália- Alfragide
2720 AMADORA
Tel: 214 711 920
http://www.jardimdeinfanciawaldorf.com/

Jardim de Infancia VelaVerde – Creche e Jardim de Infância
R. da imprensa, nº 20 Alfragide
tel: 214713228
http://www.velaverde.org/

Escola Waldorf de Sintra
(pedagogia Waldof)
waldorfsintra@gmail.com
tel: 91 791 08 61 (Rita Seixas)
http://waldorfsintra.files.wordpress.com/2008/06/escola.pdf

Pé de Romã – jardim de infância
(pedagogia Waldorf)
Quinta da União,
Estrada das Labruscas, 55
Ribeira de Sintra
Tel: 938795380 e 964143222

Jardim Infância Viva-Associação Jardim de Infância Internacional
(pedagogia Waldorf)
Lagos – Barão de São João
Monte Judeu
8600-020 BARÃO DE SÃO JOÃO
tel: 282 761 786

Quinta Artosas
Apartado 72
7050 MONTEMOR O NOVO
tel 266890548
http://anjaliteam.blogspot.pt/2009/09/escolas-alternativas-e-vegetarianas.html

Alimentos bons para o cérebro

Fevereiro 18, 2012

Alguns causam certa exaustão mental, irritação ou dor de cabeça, como o açúcar e outros refinados, queijo envelhecido, carnes, nitritos do cachorro quente, gordura trans e glutamato monossódico.

Entretanto, tem os que auxiliam na formação e manutenção dos neurônios, nas conexões cerebrais e na capacidade de estar alerta ou tranqüilo.
Apesar de responsável por apenas 2% do peso de uma pessoa, o cérebro humano necessita de aproximadamente 30% das calorias ingeridas ao dia para funcionar bem.

Alimentos com carboidratos, ácido fólico, zinco, magnésio, ferro e vitaminas do complexo B (em especial a B12), são essenciais para sua constituição.

A falta de gordura benéfica (ômega 3 e vitamina E) na alimentação também torna sua capacidade um tanto prejudicada.

Carente, pode desencadear desde dislexias até esquecimentos, dificuldades de concentração, sonolência, problemas na produção de hormônios, hiperatividade, convulsões ou espasmos (em casos especiais), além de distúrbios emocionais como depressão, irritação ou apatia.

Acrescente na lista:

„ Sementes de linhaça, azeite de oliva, gergelim, aveia, quinoa, amaranto, brócolis, tâmaras, nozes, arroz integral, castanhas, batata doce, banana, cenoura, mandioquinha, , bardana, gengibre, uva passa, abacate, folhas escuras.

Fonte:

Guia de Alimentação infantil – com dicas de cuidados para crianças especiais , 2003. Groun Ed. Guimarães, N.

 

 

Este texto foi extraido do Blog: BLOG ALIMENTAÇÃO E SAÚDE INFANTIL

– Estudos mostram que crianças vegetarianas, quando seguem uma dieta bem balanceada, não têm deficiência de crescimento em relação as outras. Basicamente quais os alimentos que não podem faltar em uma dieta vegetariana para crianças, garantindo assim seu desenvolvimento normal?


Diferente do que muitos imaginam, a dieta vegetariana não é composta por verduras e legumes. A base da alimentação é a mesma da dieta onívora. Os alimentos mais calóricos são preconizados como base da dieta.

Assim, a criança vegetariana utiliza todos os alimentos do grupo dos cereais (arroz, trigo, milho, centeio, cevada, pães, macarrões…), das leguminosas (todos os feijões e derivados), oleaginosas (após o primeiro ano de vida ou o terceiro, caso haja história de alergia familiar), as frutas, hortaliças (verduras, legumes e vegetais amiláceos – que para vegetarianos são classificados juntamente com as hortaliças, e não com os cereais) e óleos. Para os ovo-lactovegetarianos o consumo de ovos e laticínios faz parte do cardápio.


– Como garantir os nutrientes necessários na fase da adolescência, período em que o crescimento rápido faz aumentar a demanda de vários nutrientes, dentre eles, a proteína?


Utilizando e variando os alimentos dos diversos grupos alimentares.  O único nutriente que pode estar ausente na dieta vegetariana, quando os ovos e laticínios não são utilizados, é a vitamina B12, que deve ser suplementada nessas condições.      O planejamento nutricional adequado fornece todos os nutrientes necessários para o crescimento e desenvolvimento, segundo diversos artigos científicos publicados que, inclusive, demonstram que os adolescentes vegetarianos têm um cardápio mais diversificado do que os onívoros.


A deficiência protéica é um mito na dieta vegetariana, que não é suportada por inúmeras publicações científicas. Da mesma forma, a deficiência de ferro não é mais prevalente em os vegetarianos quando comparada com onívoros.


– Nesta fase de adolescência, além de ingerir os alimentos corretos, é necessário, tomar suplementos de nutrientes?


As diretrizes para suplementação na infância, assim como para todas as fases da vida são as mesmas para vegetarianos e onívoros. A única diferença está no uso de vitamina B12, que deve ser sempre suplementada na infância, gestação e lactação, independente do uso de ovos e laticínios, assim como para os vegetarianos que se abstém do consumo desses alimentos.


– Crianças precisam de energia e, como a dieta vegetariana tende a ter menos calorias, quais os alimentos que poderão suprir esta necessidade?


As dietas vegetarianas tendem a ter menos calorias do que as onívoras, mas ultrapassam, sem nenhuma dificuldade, a necessidade calórica diária. Lembre-se de que a dieta vegetariana não é composta por verduras e legumes, apesar alimentos fazerem parte do cardápio.

Entrevista publicada no IPCE (Instituto de Pesquisa, Capacitação e Especialização)

Autor: Dr Eric Slywitch

George Guimarães no seu programa de Nutrição sobre o Vegetarianismo e as Crianças




Há sempre muita dificuldade em saber o que se pode dar aos bebés, a partir do momento em que começam a comer. Embora se deva privilegiar sempre o leite materno o máximo de tempo possível (o ideal será o bebé só ingerir alimentos sólidos quando tiver dentes), após os 6 meses de vida do bebé, há muita coisa que se lhe pode dar!
A partir dos 6 meses, podem dar-se papas de cereais naturais, como aveia, centeio, trigo, e misturar com frutas, vegetais ou na sopa. Os cereais com glúten (aveia, cevada, trigo, centeio) só devem ser introduzidos após os 6 meses de idade. Aos 4 meses podem usar-se farinhas de arroz, amido de milho (conhecido por maisena), ou tapioca, que são cereais sem glúten. Os bebés muito gordos não devem comer papas de cereais, podem começar com os caldos de legumes que, embora não engordem tanto, são mais nutritivos. Não esquecer que o pão ou as bolachas (a não ser que sejam de arroz ou milho, por exemplo) têm glúten e que, portanto, só podem ser dados após os 6 meses.
Também não se deve adicionar leite às farinhas lácteas porque estas já têm leite adicionado (geralmente de vaca) e, se nós, ainda por cima, juntarmos mais leite, isso vai provocar uma sobrecarga para o fígado e os rins do bebé, podendo levar à desidratação, obesidade, doenças cardiovasculares, insuficiência renal ou diabetes. Há farinhas sem leite adicionado ou então com leite para lactentes ou de transição (que tem um leite mais adequado a um bebé).

Ao introduzir novos alimentos, convém ser sempre um de cada vez durante uma semana, para ver as reacções do bebé. A partir dos 4 a 6 meses, o bebé pode comer pêra ou banana crua, ou maçã cozida, tudo sempre bem maduro. As frutas têm um efeito mais laxante (ajudam a barriguinha do bebé a funcionar melhor) e previnem melhor as cáries se forem trituradas com o garfo, em vez de se usar a varinha. A partir dos 6 meses, podem ir-se introduzindo outras frutas, tais como o pêssego, alperce ou frutos secos cozidos que não tenham casca rija – ameixa, tâmara, alperce. Os citrinos e frutos com grainhas (laranja, kiwi, tomate, morango, framboesa, amora, uva) só devem ser introduzidos após os 12 meses. Os frutos de casca rija (nozes, amendoins, etc) só devem ser dados à criança após os 3 anos de idade, devido às alergias que podem causar.

Também a partir dos 6 meses o bebé pode começar a comer sopa – a princípio um caldo simples – de alface, abóbora, cenoura, batata doce, batata, couve-flor, feijão-verde, alho-francês, lentilhas sem casca (cor-de-laranja), alho, cebola, tronchuda, penca, vagem, ou agrião, sempre muito bem passado e introduzindo um, o máximo dois ingredientes novos por semana.
Após os 6 meses o bebé pode, também, comer tofu e soja fina misturada na sopa, assim como cuscuz. O tofu deve ser fresco (o de frasco é menos saudável para o bebé). É um alimento de fácil digestão e bastante suave. Deve ser cozido e juntar-se a papas e sopas.
A partir dos 8/9 meses pode dar-se farinha de pau, açorda, massa, puré de batata e/ou beterraba, sempre com cuidado para que o bebé não se engasgue. Os nabos e espinafres só devem ser introduzidos após os 9 meses, e as leguminosas (feijão, grão, favas, ervilhas), bem cozidas, a partir dos 12 meses.
O iogurte natural de soja, o arroz integral muito bem cozido, o bulgur e o millet podem ser dados a partir dos 9 meses, tendo sempre em conta as reacções da criança – cuidado, aliás, que se deve ter com todos os alimentos. Também nesta idade o bebé pode consumir levedura de cerveja ou gérmen de trigo misturado nas sopas ou papas.

Aos 12 meses pode começar a dar-se seitan ao bebé, assim como o leite de soja para adultos (enriquecido com vitamina B12) e outros leites vegetais (de arroz, aveia), embora se recomende um leite de soja adequado a bebés até, pelo menos, aos 18 meses, se não estiver a ser amamentado. Quanto ao seitan, este, no início, deve ser cozido juntamente com legumes e triturado na sopa. Depois, pode ir-se dando aos pedacinhos. Deve preferir-se a versão biológica, sem molho de soja adicionado.

Se o bebé não for amamentado, recomenda-se que lhe seja dado um suplemento de vitamina B12, ou um leite de fórmula vegano enriquecido com esta vitamina, cujo excesso no organismo não provoca quaisquer efeitos negativos, sendo eliminado naturalmente. Esta vitamina não se encontra em quantidades suficientes nos alimentos vegetais e a sua carência provoca graves danos a nível do sistema nervoso.
Enquanto o bebé for amamentado, basta que a mãe vegetariana/vegana tome um suplemento de vitamina B12 e/ou ingira alimentos enriquecidos com essa vitamina. Ao amamentar, as vitaminas e os nutrientes que a mãe obtém através da alimentação ou de suplementos, passam para o leite e deste para o bebé.

Outros conselhos:
* A higiene é fundamental. Lavar sempre as mãos antes de preparar a comida do bebé. Os utensílios de cozinha devem estar limpos e secos.
* Usar colheres de plástico (as primeiras até são de silicone, que são mais moles do que as de plástico normais), em vez de metal.
* Cortar tudo em pedaços pequenos para que se possa calcular melhor a água. Assim, coze em menos tempo, o que preserva os nutrientes e não se tem que deitar água da cozedura fora, que é onde ficam alguns nutrientes.
* O melhor é usar panela de pressão. Mal comece a ferver, desliga-se o lume e deixa-se ficar a tampa para cozer no vapor, até perder a pressão sozinha sem ter que soltar a válvula. À falta de panela de pressão pode-se cozinhar – com tampa, para conservar o valor nutritivo e não oxidar a comida – em panela inox ou pirex. O alumínio ou o barro não são aconselháveis, pois são altamente tóxicos, e os plásticos devem ter sempre a indicação de que são alimentares (há um símbolo no plástico que indica isso, que é o desenho de um copo e um garfo pequenos).
* Não dar fritos às crianças (sobretudo antes dos 3 anos), o ideal é sempre cozer ou grelhar.
* Pode-se pôr um fio de azeite cru na comida do bebé. É uma gordura saudável.
* Em viagem, ou em situações de emergência, há boiões que os vegetarianos/veganos podem usar. Podem ser dados à temperatura ambiente ou aquecidos em banho-maria (ou em alguns aquecedores de biberões/boiões). Mexer bem depois de aquecido para ficar toda a comida com a mesma temperatura e não dar azo a enganos. Verificar sempre a temperatura antes de dar ao bebé (nas costas da mão ou no pulso da mamã, por exemplo. Um bebé é sempre mais sensível às temperaturas do que um adulto )). Se possível, mudar a comida do boião para o prato, para o bebé não se habituar a boiões e não recusar a comida quando é dada no prato.
* Nunca é demais dizer que é um erro adicionar sal ou açúcar à alimentação, seja nos adultos ou nos bebés, mas muito especialmente nos bebés. Se um bebé for habituado assim desde a nascença, dificilmente adquirirá maus hábitos pela vida fora, o que vai torná-lo num adulto saudável e, claro, mais feliz que muita gente. Os alimentos já têm sal e açúcar naturalmente.
* Também convém não usar molhos e especiarias na comida do bebé – incluindo a canela, que é um estimulante, como o café – porque, além de serem fortes demais para o seu organismo delicado, muitas podem ter propriedades que desconhecemos.
* Um bebé nunca deve estar em ambientes com fumo ou ruidosos, que o prejudicam muito e o fazem muito infeliz. Não se deve fumar numa casa onde haja bebés, mesmo que seja noutro quarto. O fumo espalha-se e as substâncias do cigarro ficam coladas às paredes e aos tectos, mesmo que não cheire. Os bebés são muito sensíveis e, ao inalarem estas substâncias, podem vir a sofrer de problemas graves para toda a sua vida.

Higiene e segurança:
Diariamente, faça a higiene do seu bebé. Limpe os seus olhos com compressas embebidas em soro fisiológico (uma compressa para cada olho, não use a mesma nos dois, para prevenir infecções; limpe as orelhas com cotonetes embebidos em soro fisiológico – novamente, não limpe as duas orelhas com a mesma ponta do cotonete. Não meta o cotonete dentro do canal auditivo, é só para limpar por fora.
O nariz do bebé pode ser limpo com soro fisiológico, caso se observe secreções, mas consulte sempre o seu médico. O umbigo deve ser limpo com álcool a 70º, que é mais eficaz que o de 90º, até cicatrizar completamente. Depois de cicatrizar, basta o banho do bebé para que fique limpo. No banho, não se esqueça de lavar muito bem as pregas do corpinho do bebé e, no final, de enxugá-lo muito bem para evitar infecções, com especial atenção ao pescoço, axilas, articulações e pregas nos genitais, que são sítios onde se acumula humidade mais facilmente. Pode usar-se umas gotas de óleo de amêndoas doces no banho para facilitar a hidratação da sua pele delicada.
Corte-lhe as unhas dia sim, dia não, com uma tesoura de pontas redondas, de preferência quando ele estiver a dormir, para ser mais fácil. Se não tiver termómetro para a
banheira, use o seu cotovelo para verificar se a água está boa para o seu bebé. Encha a banheira do bebé primeiro com água fria e só depois com água quente, para evitar acidentes.
Nunca deixe um bebé ou criança sozinho na água, nem nenhum líquido, tanque, balde de limpeza, bacia da roupa, ou poça ao alcance de um bebé ou criança. Os bebés têm a cabeça mais pesada do que o resto do corpo e podem afogar-se até mesmo em pequenas poças da chuva ou da rega das
plantas. Um bebé ou uma criança pequena afogam-se silenciosamente, não fazem nenhum barulho que possa chamar a atenção. Não facilite nunca! As crianças até aos 4 anos de idade não têm noção dos perigos, por isso convém vigiá-las e não se pode esperar que elas sejam “crescidinhas” para saberem o que se pode ou não fazer.

Referências:
OLIVEIRA, Gabriela, Alimentação Vegetariana para bebés e crianças, Ed. Arte Plural.

 

Fonte: Centro Vegetariano

A partir de que idade os bebés podem comer soja e tofu?

Logo aos 6 meses! Basta adicionar uma colher de soja fina ou um quadradinho de tofu quando se está a cozer as sopinhas de legumes. Fica uma sopa enriquecida com proteínas. Sem ser preciso recorrer à carne.

Com tantas opções saudáveis que hoje existem, de alimentos de origem vegetal ricos em proteínas, comer carne é uma escolha, não é uma obrigação.No livro é explicado que a soja contém mais proteínas do que a carne ou o peixe. Para ficar com uma ideia, por cada 100 gr de farinha de soja obtemos 44g de proteínas e 6 mg de ferro. Já a mesma porção de carne de vaca contém apenas 20,9g de proteínas e 1,4 mg de ferro. para além da soja, outras leguminosas como o grão, as lentilhas, as favas e vários tipos de feijão são muito ricos em proteínas e minerais. As crianças podem crescer bem e saudáveis com uma alimentação vegetariana.

Fonte