SALA-AULA

Temos encontrado muitos pais preocupados cada vez mais com a qualidade dos métodos pedagógicos e com a alimentação vegetariana para os seus filhos, nas escolas. As escolas não dão resposta a individualização que cada criança precisa, especialmente em tenra idade. Os valores familiares estão a perder-se, o respeito pela sociedade e natureza esta a desvanecer, e vemos cada vez mais casos de crianças e adolescentes perdidos e entregues a escolas com métodos pedagógicos antiquados e desadequados ao desenvolvimento harmonioso e integral da criança.

Damos uma pequena ajuda e decidimos reunir uma lista de escolas vegetarianas e com métodos pedagógicos alternativos em Lisboa e arredores.

Jardim do Monte – Jardim de infância e 1º ciclo
(pedagogia Waldorf)
HARPA – Associação Recriar para Aprender
Quinta S. João dos Montes
2600 Alhandra
Tel. 21 951 20 92
mailto:harpa_portugal@yahoo.com
http://www.harpa-portugal.com/

Casa Verdes Anos – jardim de infância e 1º ciclo
(pedagogia Waldorf, movimento da escola moderna e educação para os valores)
Sítio do Barcal, n.º 9, Monsanto
1500-554 Lisboa
tel:91 233 60 43
casaverdesanos@gmail.com

Jardim Infância São Jorge – Creche e Jardim de Infância
(pedagogia Waldorf)
Estrada Alfragide
Casa Vestefália- Alfragide
2720 AMADORA
Tel: 214 711 920
http://www.jardimdeinfanciawaldorf.com/

Jardim de Infancia VelaVerde – Creche e Jardim de Infância
R. da imprensa, nº 20 Alfragide
tel: 214713228
http://www.velaverde.org/

Escola Waldorf de Sintra
(pedagogia Waldof)
waldorfsintra@gmail.com
tel: 91 791 08 61 (Rita Seixas)
http://waldorfsintra.files.wordpress.com/2008/06/escola.pdf

Pé de Romã – jardim de infância
(pedagogia Waldorf)
Quinta da União,
Estrada das Labruscas, 55
Ribeira de Sintra
Tel: 938795380 e 964143222

Jardim Infância Viva-Associação Jardim de Infância Internacional
(pedagogia Waldorf)
Lagos – Barão de São João
Monte Judeu
8600-020 BARÃO DE SÃO JOÃO
tel: 282 761 786

Quinta Artosas
Apartado 72
7050 MONTEMOR O NOVO
tel 266890548
http://anjaliteam.blogspot.pt/2009/09/escolas-alternativas-e-vegetarianas.html

Anúncios

Diabetes gestacional

Fevereiro 15, 2014

imgHandler

Dieta e exercícios

A melhor maneira de melhorar sua dieta é comer uma grande variedade de alimentos saudáveis. Você deve aprender a ler os rótulos dos alimentos e sempre verificá-los quando precisar tomar decisões em relação à sua alimentação. Se você for vegetariana ou seguir alguma outra dieta especial, converse com seu médico ou nutricionista.

Em geral, a dieta deve ser moderada em gordura e proteína e fornecer níveis controlados de carboidrato com alimentos como frutas, hortaliças e carboidratos complexos (como pão, cereais, massa e arroz). Será necessário diminuir os alimentos que contêm muito açúcar, como refrigerantes, sucos de fruta e doces.

Você deve fazer três refeições pequenas ou médias e comer um ou mais lanches diariamente. Não pule as refeições nem os lanches. Mantenha a mesma quantidade e os tipos de alimentos (carboidratos, gorduras e proteínas) todos os dias.

O médico receitará uma vitamina prénatal diária. Ele ainda pode recomendar que você tome ferro ou cálcio. Se você for vegetariana ou seguir alguma outra dieta especial, converse com seu médico.
Lembre-se de que “comer por dois” não significa ter que ingerir o dobro de calorias. Geralmente são necessárias apenas 300 calorias a mais por dia (como um copo de leite vegetal, uma banana e 10 bolachas tipo água e sal).

 

 

http://centrodeartigos.com/dieta/artigo-6243.html

http://centrodeartigos.com/saude-e-dieta/artigo-4849.html

http://claudia.abril.com.br/materia/dieta-vegetariana-durante-gravidez/?p=/familia-e-filhos/gravidez

http://www.minhavida.com.br/saude/temas/diabetes-gestacional

Aumentam chances de diabetes gestacional entre grávidas que comem ovos, diz estudo
http://www.vidavegetariana.com/site/noticias.php?page=noticias/511

http://redemaesdeminas.com.br/alimentacao-vegetariana/1185

Gabriel é um menino esperto.
Cresceu ouvindo isso.

Andou, leu e escreveu cedo.

Vai bem nos esportes.

É popular na escola e as provas confirmam, numericamente e por escrito, sua capacidade.

“Esse menino é inteligente demais”, repetem orgulhosos os pais, parentes e professores. “Tudo é fácil pra esse malandrinho”.

Porém, ao contrário do que poderíamos esperar, essa consciência da própria inteligência não tem ajudado muito o Gabriel nas lições de casa.

– “Ah, eu não sou bom para soletrar, vou fazer o próximo exercício”.

Rapidamente Gabriel está aprendendo a dividir o mundo em coisas em que ele é bom, e coisas em que ele não é bom.

gabriel3

A estratégia (esperta, obviamente) é a base do comportamento humano: buscar prazer e evitar a dor. No caso, evitar e desmerecer as tarefas em que não é um sucesso e colocar toda a energia naquelas que já domina com facilidade.

Mas, como infelizmente a lição de casa precisa ser feita por inteiro, inclusive a soletração, de repente a auto-estima do pequeno Gabriel faz um… crack.

Acreditar cegamente na sua inteligência à prova de balas, provocou um efeito colateral inesperado: uma desconfiança de suas reais habilidades.

Inconscientemente ele se assusta com a possibilidade de ser uma fraude, e para protegê-lo dessa conclusão precipitada, seu cérebro cria uma medida evasiva de emergência: coloca o rótulo dourado no colo, subestima a importância do esforço e superestima a necessidade de ajuda dos pais.

A imagem do “Gabriel que faz tudo com facilidade” , a do “Gabriel inteligente” (misturada com carinho), precisa ser protegida de qualquer maneira.

Gabriel não está sozinho. São muitos os prodígios, vítimas de suas próprias habilidades de infância e dos bem intencionados e sinceros elogios dos adultos.

Nos últimos 10 anos foram publicados diversos estudos sobre os efeitos de elogios em crianças.

Um teste, realizado nos Estados Unidos com mais de 400 crianças da quinta série (Carol S. Dweck / Ph.D. Social and Developmental Psychology / Mindset: The New Psychology of Success), desafiava meninos e meninas a fazer um quebra-cabeças, relativamente fácil.

Quando acabavam, alguns eram elogiados pela sua inteligência (“você foi bem esperto, hein!) e outros, pelo seu esforço (“puxa, você se empenhou pra valer hein!”).

Em uma segunda rodada, mais difícil, os alunos podiam escolher entre um novo desafio semelhante ou diferente.

A maioria dos que foram elogiados como “inteligentes” escolheu o desafio semelhante.

A maioria dos que foram elogiados como “esforçados” escolheu o desafio diferente.

Influenciados por apenas UMA frase.

O diagrama abaixo mostra bem as diferenças de mentalidade e o que pode acontecer na vida adulta.

graf

O Malcom Gladwell tem um ótimo livro sobre a superestimação do talento, chamado “Fora de Série” (“outliers”). Lá aprendi sobre a lei das 10 mil horas, tempo necessário para se ficar bom em alguma coisa e que já ensinei pro meu filho.

Se você tem um filho, um sobrinho, ou um amigo pequeno, não diga que ele é inteligente. Diga que ele é esforçado, aventureiro, descobridor, fuçador, persistente.
Celebre o sucesso, mas não esqueça de comemorar também o fracasso seguido de nova tentativa.

UPDATE : Apenas alguns esclarecimentos a alguns dos comentários…

01. Não, eu não estou dizendo para não elogiar as crianças. E não, também não estou dizendo para você nunca dizer para o seu filho que ele é inteligente. É apenas uma questão de evitar o RÓTULO.

02. Evidentemente não sou o autor dessa tese/teoria, muito menos desse estudo citado no post. Escrevi justamente SOBRE essa linha de pensamento. Quem escreveu essa teoria foi Carol S. Dweck / Ph.D. Social and Developmental Psychology / Mindset: The New Psychology of Success(http://news.stanford.edu/news/2007/february7/dweck-020707.html) como foi citado acima e nos comentários também.

03. Gostaria de aproveitar o update e agradecer pelos inúmeros comentários e likes, o que prova o quanto esse assunto é fascinante. Obrigado!

[img by Shutterstock]

[fonte: updateordie]